20 de novembro de 2014

A montanha em pleno

Durante os passados dois fins de semana tive ocasião de ter que ir ao Parque Natural da Serra da Estrela. Num dos casos estive a participar como orador a convite do município de Manteigas no 1º Encontro de Fotografia e Vídeo. Mais recentemente, conduzi o meu habitual nature foto tour na Serra da Estrela, que à cinco anos levo a cabo durante o Outono. Em ambos os casos tive ocasião de fotografar diversos aspectos da Estrela, que mais uma vez me surpreendeu pela sua magnitude. Cores quentes, bagas vermelhas, uma luz magnífica e alguma neve, fizeram-me chegar a casa com largas centenas de imagem para o meu arquivo. Digamos que a montanha estava em pleno, com toda a sua natureza exposta para nós a a registarmos.


Pormenor de faias com cores de Outono na mata de Manteigas  ›  ISO 200  300 mm  f/4.5
  1/60  tripé

O final do dia a partir da mata de Manteigas (zona do Poço do Inverno)  ›  ISO 200  12 mm  -O,33 ev  f/6.3  1/500

Pela manhã cedo por entre o nevoeiro os raios de sol iluminam os cumes da montanha.  ›  ISO 200  105 mm  f/8  1/200  tripé

Depois de uma chuvada, o sol do fim de tarde ilumina parcialmente a mata de Manteigas com as suas cores de Outono.  ›  ISO 200  105 mm  -O,67 ev  f/8  1/125
Durante dois fins de semana fotografei intensamente diversos aspectos do Parque Natural da Serra da Estrela. Na imagem, no interior do bosque.  ›  ISO 200  28 mm  -1.3 ev  f/3.9  1/60


22 de setembro de 2014

Íbis-preta por terras da Comporta

De regresso ao campo, a semana passada estive toda por terras do Sul, a terminar um trabalho sobre a produção agrícola e florestal na Herdade da Comporta. Apanhei uma luz estupenda já com um ar de Outono e um céu perfeito com algumas nuvens volumosas. Aproveitando estar na área do Estuário do Sado durante alguns dias, aproveitei para efectuar novas imagens desta zona húmida. Ao percorrer bem cedo um dos arrozais na Herdade da Comporta, observei um bando de largas dezenas de íbis-preta (Plegadis falcinellus) que o costumava frequentar. Alguns indivíduos efectuavam regularmente o percurso entre o estuário do Sado e o arrozal diversas vezes ao dia, sobretudo durante a maré vazia. Nunca tinha observado tão bem esta rara ave limícola, e que só nos últimos anos o número começou a aumentar em Portugal. Posicionei-me num lugar estratégico debaixo de uns arbustos e quando da  passagem do bando de íbis-preta registei diversas imagens. Entretanto, algumas cegonhas brancas já se começam a agrupar para iniciar a sua migração de Outono. 

Área de pinheiro-bravo no interior da Herdade da Comporta › ISO 200  12 mm  -0,33 ev  f/8  1/200  filtro ND

Bando de íbis-preta a deslocar-se da área do estuário do Sado para um arrozal na Herdade da Comporta.  › ISO 200  300 mm  -0,33 ev  f/4  1/1250
Reserva Natural do Estuário do Sado já com toque de Outono › ISO 200  22 mm  -0,67 ev  f/8  1/800  filtro ND  tripé

Íbis-preta a deslocar-se da área do estuário do Sado para um arrozal na Herdade da Comporta.  › ISO 200  300 mm  -0,33 ev  f/5  1/1250 


Esperando numa torre pela luz do fim de tarde para fotografar uma área de pinheiro-bravo na Herdade da Comporta.  ›  ISO 200 mm  20 mm  -0,33  f/11  1/320  disparador automático  



6 de agosto de 2014

Borboleta azul das turfeiras

Há muito tempo que pretendia fazer fotografias da borboleta azul das turfeiras (Phengaris alcon) para incluir no meu novo livro. Esta rara borboleta, encontra-se em risco de extinção nos países do Centro e Norte da Europa. Recentemente tive oportunidade de me deslocar a um prado perto da aldeia de Lamas de Olo no Parque Natural do Alvão, onde existe um importante núcleo da borboleta azul. Na companhia do Tiago Magalhães, experiente na espécie e bom conhecedor das áreas onde a mesma existe, tive finalmente a oportunidade de me dedicar a fotografar alguns aspectos desta borboleta característica de montanha. Captei imagens de ovos, da planta fundamental e importante no ciclo da borboleta azul - a genciana-das-turfeiras (Gentiana pneumonanthe) - dos prados e da própria borboleta azul. Foi uma tarde bastante produtiva com centenas de imagens produzidas em torno da borboleta azul. Este foi o último post antes de ir de férias. Até Setembro.

Prado junto à aldeia de Lamas de Olo no Parque Natural do Alvão onde fotografei a borboleta azul das turfeiras.  › ISO 200 12 mm  -0,33  ev  f/6.3  1/1000  filtro ND

Ovos de borboleta azul das turfeiras colocados na planta da genciana-das-turfeiras  ›  ISO 200  105 mm macro + fole de extensão  -0,33 ev  f/2.8  1/500  tipé

Borboleta azul das turfeiras (Phengaris alcon), uma espécie rara e ameaçada fotografada no Parque Natural do Alvão ›  ISO 200  105 mm macro  -0,33 ev  f/2.8  1/2000

Pormenor da flor genciana-das-turfeiras (Gentiana pneumonanthe) no prado perto da aldeia de Lamas de Olo, Parque Natural do Alvão.



15 de julho de 2014

O ciclo da natureza

Os últimos tempos tem sido bastante movimentados com diversos trabalhos em mão para terminar. Entre idas a Santarém, Aveiro e zona da Comporta, pouco tempo tem sobrado para fotografar para mim. Num destes finais de semana e aproveitando as frequentes idas a Amarante, revisitei ao final da tarde a zona da Campeã e serra do Marão. A zona estava com uma luz fantástica e os seus castanheiros imponentes como sempre, mas despidos de folhas. É interessante observar a mudança da paisagem e o ciclo da natureza com os castanheiros a ganharem novas folhas. A última vez que tinha estado aqui tinha sido no Outono. Aproveitei e fiz algumas imagens  deste novo ciclo, com a minha versátil máquina fotográfica Olympus Tough TG-830 iHS, a única que transportava comigo. Vou voltar em breve ao Parque Natural do Alvão desta vez para fazer umas últimas fotografias que virão incluídas no meu novo livro. Será dentro de poucos dias.


A zona da Campeã junto à Serra do Marão num magnífico fim da tarde.  ›  digital  ISO 125   73 mm  -0,7  f/16  1/100

Pinheiros-de-casquinha na zona do Alvão com os seus inconfundíveis troncos avermelhados.  ›  digital  ISO 125  73 mm  -0,7  f/5.7  1/25  tripé
O ciclo da natureza, folhas novas de castanheiro, Campeã  ›  digital  ISO 125  36 mm  -0,7  f/13  1/160

Um magnífico e velho castanheiro, Campeã. Esta zona é conhecida pelos seus castanheiros.  ›  digital  ISO 125  28 mm  -0,7  f/3.9  1/125



6 de maio de 2014

Nature foto tour na Ria de Aveiro

Conduzi mais um nature foto tour no fim de semana passado pela Ria de Aveiro. Como já o disse por diversas vezes, não me canso de fotografar na Ria e ela quase sempre não nos decepciona. Onze participantes percorreram alguns dos hot spots que costumo frequentar e ficaram com uma ideia da enorme biodiversidade que existe na zona da Ria. Pateira de Fermentelos, salinas, Salreu e área da Murtosa junto à ponte da Varela, foram alguns locais onde fotografamos. Havia vida por todo o lado com destaque para a avifauna. Pato-real, garça-vermelha, pernilongo, pilrito-de-peito-preto, borrelho-de-coleira-interrompida, colhereiro, cegonha-branca, entre outras, foram algumas das aves que foram registadas por diversos participantes. Os campos agrícolas na zona de Salreu explodiam de vida com flores e passeríformes. Para alguns dos participantes esta foi também a primeira vez que vieram à zona da Ria de Aveiro. Desta forma entrei no nono ano em que iniciei os nature foto tours. Foi no fim de semana de 26 e 27 de Março de 2005 que conduzi pela primeira vez dez participantes para fotografarem no Estuário do Tejo. 


› Pormenor de pato-real (macho) na Pateira de Fermentelos  › Digital  ISO 200  600 mm  -0,67 ev  f/8  1/800  tripé
› Pormenor de vegetação aquática, percurso do rio Príncipe, Salreu › Digital  ISO 200  300 mm  -0,33 ev  f/4  1/1600  tripé

› Luta de pernilongos, salinas, Ria de Aveiro › Digital  ISO 800  600 mm  -0,67 ev  f/5.6  1/1000  tripé

› Pilrito-de-peito-preto, salinas, Ria de Aveiro › Digital  ISO 800  600 mm  -0,67 ev  f/5.6  1/1000  tripé

› Participantes do nature foto tour, percurso do rio Príncipe, Salreu › Digital  ISO 400  600 mm  -0,33 ev  f/8  1/800  tripé

› Aves e campos agrícolas, Salreu › Digital  ISO 400  600 mm  -0,33 ev  f/5.6  1/1600  tripé




24 de abril de 2014

Espelhos de água

Com estes magníficos dias de sol, andei esta semana pelo campo a recolher novas imagens de Primavera. Passei pela Ria de Aveiro, Pateira de Fermentelos e Salreu. São áreas onde habitualmente vou fotografar que têm a água como elemento comum. Como resultado das intensas chuvadas que caíram durante os meses passados, os campos formam extensos tapetes de flores multicoloridas. Na Ria de Aveiro e na Pateira de Fermentelos, a ausência de vento formava magníficos espelhos de água, que me permitiram fazer novas e diferentes imagens. A vida selvagem está ao rubro, com as aves da Ria de Aveiro numa azáfama neste período de nidificação.


› Pernilongo e reflexo na Ria de Aveiro › Digital   ISO 400  600 mm  -0,33 ev  f/8  1/1250  beanbag  viatura

› Pilritos-de-peito-preto e chilreta com reflexos num muro de salina, Ria de Aveiro › Digital   ISO 400  600 mm  -0,33 ev  f/8  1/1600  beanbag  viatura
› Pormenor de flores num campo multicolorido, zona da Pateira de Fermentelos  ›  Digital  ISO 200  24 mm  -0,33 ev  f/4  1/2000  filtro ND

› Pormenor de barcos característicos, Pateira de Fermentelos  ›  Digital  ISO 200  24 mm  -0,33 ev  f/6.3  1/400  filtro ND


27 de fevereiro de 2014

Por entre o Tâmega o Marão e o Alvão

Desde o principio do ano que praticamente todos os fins de semana me tenho repartido pela cidade de Amarante. Um novo projecto tem-me feito abraçar de novo uma região que sempre admirei, repartida pelo rio Tâmega, a Serra do Marão e do Alvão. Não tem conta as vezes que já me desloquei às duas serras para fotografar os seus diferentes aspectos naturais, mas também algumas histórias relacionadas com as actividades das populações de montanha. Algumas destas histórias foram publicadas em revistas de viagens. Ultimamente tenho-me dedicado ao magnífico rio Tâmega que com a sua luz de Inverno me tem permitido fazer novas imagens e com abordagens diferentes. O facto de nevar todos os anos quer no Marão quer no Alvão, levou-me sempre a dedicar parte do meu tempo na zona a captar novas imagens do Inverno gelado.


› O rio Tâmega ao final do dia perto de Amarante, Inverno › Digital,  ISO 160  22 mm  f/22   0,5 s  tripé



› O rio Tâmega e a cidade de Amarante num dia de nevoeiro, Inverno  › 28 mm, médio formato 6x4.5  Película Fujichrome Velvia 50 ISO  tripé

› Base da Serra do Marão e a aldeia de Quintã, Inverno  › Digital,  ISO 100  60 mm  -0,33 ev  f/7.1  1/60  filtro ND  tripé

› Pormenor de carvalhos e pinheiros num dia de neve, Inverno, serra do Marão › Digital ISO 100  24 mm f/5.6  1/60  tripé
› O recolher do gado ao final do dia, Lamas de Olo, Inverno, Serra do Alvão  › 20 mm, Película Fujichrome Velvia 50 ISO